Friday, November 24, 2017

Nota de esclarecimento sobre a cena da novela “O outro lado do paraíso”, da Rede Globo, que descaracteriza o uso da Eletroconvulsoterapia


nota2-1-768x280





Devido à grande repercussão negativa alcançada pela cena exibida na novela “O Outro Lado do Paraíso”, produzida e veiculada pela Rede Globo, a Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP vem a público esclarecer e manifestar-se acerca do capitulo de ontem, 21 de novembro. O folhetim, assinado pelo escritor Walcyr Carrasco, apresenta narrativa estigmatizante e preconceituosa no que concerne ao uso da Eletroconvulsoterapia – ECT, procedimento médico seguro e indicado para tratamento de transtornos psiquiátricos graves que põem em risco a integridade do paciente, os quais não tenham respondido aos medicamentos psiquiátricos.


Veja Depoimentos de pacientes que fizeram ECT!


Na novela, a protagonista é supostamente diagnosticada com uma doença mental grave, como a esquizofrenia que, na ficção, tem seu manejo terapêutico inadequado. A esquizofrenia é uma doença que atinge cerca de 1% da população mundial e pode causar alterações na maneira como o indivíduo percebe a realidade, perdendo este a capacidade de discernimento. Tal transtorno costuma apresentar como sintomas alucinações e delírios persecutórios, crenças falsas que não cedem às argumentações ou evidências, além da desorganização do pensamento e alterações na expressão emocional.

Quanto à Eletroconvulsoterapia – ECT, ou eletroconvulsão terapêutica, é feita em ambiente hospitalar, sob anestesia, com monitoramento eletrocardiológico e eletroencefalográfico, recebendo uma baixa corrente elétrica que induz à convulsão, com duração de cerca de 30 segundos. A técnica é eficaz e segura e seu sucesso terapêutico é destacado por múltiplos estudos relacionados ao tema, publicados em periódicos de grande destaque científico.

Conforme a Resolução nº 1.640/2002 e a Resolução nº 2.057/2013, do Conselho Federal de Medicina – CFM, a eletroconvulsoterapia deve sempre ser realizada em ambiente adequado, mediante indicação do psiquiatra após a devida avaliação, com equipe formada também por anestesista e enfermeiro. O procedimento é indicado para quadros psiquiátricos que não apresentem respostas aos medicamentos e às demais terapias, como depressões graves, ou quadros em que a medicação tradicional não pode ser administrada, como gestantes e mulheres que estão amamentando. Sem este recurso, tais pacientes podem vir a sofrer riscos bastante severos, incluindo risco de vida.
Considerando o acima pontuado, a ABP manifesta a sua profunda inconformidade à cena veiculada, que descaracteriza esse procedimento médico, além de prestar um desserviço à população, estimulando o preconceito e o estigma relacionados às doenças mentais, aos pacientes psiquiátricos e à psiquiatria. A ECT na psiquiatria, assim como a eletrocardioversão na cardiologia, salva vidas.

Fonte: Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP

Tuesday, November 7, 2017

Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC)





toc transtorno obsessivo compulsivo
Quando hábitos do dia a dia, quaisquer que sejam, deixam de ser saudáveis e passam a ser uma obrigação, ocupando grande parte do pensamento e dos afazeres diários, tornando-se praticamente uma obsessão ou compulsão, cuidado: pode ser um sinal de Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC).

O transtorno é complexo, nele está presente a ansiedade e as alterações do pensamento e do comportamento. Suas características principais são os pensamentos repetitivos e intrusivos (obsessões), e as ações que devem ser realizadas por mais ilógicas que pareçam para o paciente (compulsões). Os sintomas não necessariamente apresentam-se juntamente, pode haver predomínio das obsessões ou das compulsões.

Em geral, as obsessões ou ruminações obsessivas são pensamentos com conteúdo ilógico, dos quais o paciente não consegue se livrar. Os exemplos mais comuns são os ligados a dúvidas, como: “fechei a porta?”, “desliguei o gás?”, sendo que os conteúdos podem ser variáveis. Já as compulsões caracterizam-se por ações, como: checar inúmeras vezes se a porta está ou não fechada, ou repetir várias vezes o ato de lavar as mãos. As ações, em geral, são direcionadas pelas obsessões.

Aqui no IPAN o tratamento é conduzido por um médico psiquiatra que, comumente, faz uso de medicamentos (principalmente antidepressivos e ansiolíticos, sendo que, por vezes, pode indicar também antipsicóticos). Outro suporte extremamente importante é a psicoterapia focada em técnicas comportamentais, que tendem a ser as mais eficazes.

Se você precisa lidar melhor com obsessões ou compulsões, ou conhece alguém que precisa de ajuda, marque uma consulta com a gente. Juntos é mais fácil encarar de frente o desafio de vencer o transtorno.

Monday, November 6, 2017

Transtorno do Estresse Pós-traumático




Todos nós passamos por momentos de medo e traumas, mas nas pessoas que sofrem de Transtorno do Estresse Pós-traumático o pavor ganha uma dimensão descomunal. Isso porque a doença se caracteriza por um conjunto de sinais e sintomas físicos, psíquicos e emocionais, que se manifestam após o indivíduo vivenciar ou testemunhar atos violentos ou situações traumáticas que representaram ameaça à sua própria vida ou de outros.

Nos episódios do transtorno há a lembrança da situação traumática, que não se restringe ao nível cognitivo, mas engloba o nível emocional e o paciente pode sentir novamente o medo que sentiu. Os ataques são frequentes à noite e podem estar associados a sintomas depressivos.

Essa recordação, conhecida também como revivescência, desencadeia uma série de alterações neurofisiológicas e mentais, por isso o transtorno é uma condição complexa e, muitas vezes, incompreendida. Alguns grupos, como os combatentes de guerra, por exemplo, são muito pesquisados, assim como pessoas expostas a medo excessivo: vítimas de violência, de calamidades naturais ou que estiveram expostas a situações de risco, como sequestros.
Aqui no IPAN o tratamento é conduzido por médicos psiquiatras e, o que vem apresentando maior sucesso, é a combinação de medicamentos com o acompanhamento psicoterápico.

Se você passou por uma situação traumática que lhe causa episódios de medo difíceis de controlar, ou se conhece alguém que precisa de ajuda, entre em contato e agende uma consulta. Temos certeza que com o tratamento adequado é possível conviver melhor com o transtorno.