Tuesday, August 29, 2017

Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG)


tag trantorno ansiedade generalizada

Se os níveis de ansiedade começam a interferir no dia a dia, pode ser um motivo de preocupação, pois, na verdade, esse é o principal sintoma do Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG). Como o próprio nome sugere, trata-se de um estado ansioso relativamente constante, chamado também de liberação simpática crônica e recorrente sem um fator desencadeante, ou seja, uma situação onde não há realmente como justificar o que o paciente está sentindo.

Dentre os principais sintomas, destacam-se: inquietação psicomotora; tremores nas extremidades do corpo, como por exemplo, nas mãos; insônia e medo sem motivo aparente ou detectável. Outros sintomas também podem estar presentes, como a sudorese e a falta de apetite. Em geral, o transtorno se comporta de maneira crônica variável, ou seja, os pacientes têm épocas de melhora e piora.
Para o tratamento do Transtorno de Ansiedade Generalizada, aqui no IPAN indicamos o acompanhamento de um médico psiquiatra aliado ao uso de medicamentos, que podem ser ansiolíticos (calmantes), e antidepressivos. Os antidepressivos podem ter um efeito ansiogênico inicial – causarem certa ansiedade que, em geral, deve ser aliviada assim que o efeito terapêutico surgir. Além dos medicamentos, a associação da psicoterapia também pode se apresentar de forma benéfica, principalmente para identificar se existem fatores emocionais precipitantes ou que intensificam os sintomas do transtorno.

Se pelas descrições acima você acredita que pode estar sofrendo com o transtorno, ou conhece alguém que esteja, agende uma consulta ou indique-nos. Juntos podemos investigar os sintomas e, se for o caso, iniciar o tratamento mais indicado.

Mais informações Aqui!

Monday, August 21, 2017

Esquizofrenia



Características Gerais | Como se Manifesta | Sintomas | Grupos de Risco | Subtipos | Diagnóstico | Tratamento no Ipan

esquizofrenia tratamento ipan

Esquizofrenia

A palavra Esquizofrenia deriva dos termos “frenos” – mente, ”esquizo” – cindida, e foi criada por Eugen Bleuler, em 1911, com o propósito agrupar uma série de transtornos, cuja perda das associações do pensamento era a característica fundamental, acompanhada de alterações de afeto (embotamento), volição (ambivalência) e comportamento autista, os chamados 4 AS de Bleuler. Estes transtornos eram chamados de demência precoce por Emil Krapelin, até que Kurt Schneider enriqueceu o entendimento psicopatológico da esquizofrenia, descrevendo, por assim dizer, a visão subjetiva dos pacientes. Sintomas que ele chamou de primeira ordem, como “vozes conversando entre si” ou “vozes de comando”, por exemplo. A esquizofrenia também costuma ser dividida em tipo 1 e 2, de acordo com o predomínio de sintomas chamados positivos – delírios e alucinações, ou negativos – embotamento e isolamento. Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders – DSM-V), a Esquizofrenia é um transtorno psiquiátrico grave, caracterizado por dois ou mais sintomas, tais como: alucinações auditivas, visuais ou sinestésicas, delírios, paranoia, desorganização da fala ou até mesmo fala incompreensível, catatonia e/ou sintomas negativos. Estes sintomas se manifestam, em média, por quatro semanas.

Como se manifesta

A Esquizofrenia se manifesta de forma abrupta ou gradual, porém, não há regras. Na maioria das vezes, ela se desenvolve de forma lenta e gradual, ao longo de meses, e os sintomas podem passar desapercebidos pelos familiares e amigos. O início das manifestações da doença, em geral, ocorre na adolescência ou na idade adulto-jovem, afetando a produtividade do paciente, com efeitos devastadores em sua vida e na de seus familiares mais próximos.

Sintomas

Os primeiros sintomas podem estar associados a insônia, ansiedade, desinteresse por atividades rotineiras, isolamento social, dificuldade de atenção/concentração e até abandono de estudos e trabalho. É comum haver descuido com a higiene, mudanças no comportamento e com a aparência, causando a impressão de ser apenas uma fase de “rebeldia”. Com o passar do tempo, os sintomas se agravam até a chegada do 1º surto psicótico. Este, em geral, se manifesta com agressividade, agitação, delírios de perseguição, vozes que dão ordens ou que conversam entre si, etc. O curso é variável. Geralmente existe uma fase prodrômica, uma ativa e uma residual. Na fase prodrômica, alterações mais leves, como isolamento, sensação de estranheza e alterações vegetativas, predominam. Na fase ativa, há predomínio de delírio ou alucinação, desorganização do pensamento e/ou sintomas catatônicos. E na fase residual, há predomínio de sintomas negativos de isolamento, como por exemplo, o embotamento. O prognóstico é reservado e costuma ser descrito com base na regra dos terços: um terço tem vida próxima ao normal; um terço apresenta prejuízo social e profissional importante, e um terço necessita de cuidados internos e, muitas vezes, hospitalização prolongada.

Grupos de risco

Trata-se de um transtorno mental que acomete pessoas de todas as idades, gêneros, raças, classes sociais e países e, segundo estudos da OMS – Organização Mundial de Saúde, atinge cerca de 1% da população mundial. Fatores genéticos parecem ser importantes, com casos claros de agregação familiar e de concordância genética, chegando a 50% dos casos. Há uma maior incidência entre pessoas nascidas no inverno e de mães que sofreram infecção por influenza na gravidez. Há uma concentração maior em centros urbanos e em classes sociais mais baixas. A proporção entre homens e mulheres é de 1:1, mas o início da doença é mais tardio nas mulheres.

Subtipos da Esquizofrenia

Os principais subtipos da Esquizofrenia são: Paranoide, Desorganizado, Catatônico, Indiferenciado e Simples. No Paranoide, há predomínio de sintomas psicóticos e, geralmente, os delírios têm conteúdo persecutório, bizarro e até de alucinações, cujas mais comuns são as auditivas. No Desorganizado, também conhecido como Hebefrênico, há predomínio de desorganização do pensamento, com discursos incoerentes e afeto infantilizado. No Catatônico, os sintomas psicomotores são eminentes, com a chamada flexibilidade cérea (manter-se em posições não fisiológicas), além de automatismos e estereotipias. No Indiferenciado, há dificuldade de isolar um sintoma proeminente. E, por fim, no Simples, há evolução de sintomatologia negativa sem surtos de sintomas positivos.

Diagnóstico

Em geral, o diagnóstico da Esquizofrenia é clínico, ou seja, realizado pelo histórico do paciente, bem como pela presença de sinais e sintomas. Não há um exame laboratorial ou de imagem capaz de diagnosticar a doença. Algumas alterações cerebrais são comuns, mas, ao mesmo tempo, pouco específicas. O achado mais consistente é o aumento de ventrículos. A fisiopatologia parece incluir hiperfunção dopaminérgica subcortical e temporal (sintomas positivos) e hipofunção frontal (sintomas negativos). Deficiências neurológicas leves são comuns. Alterações de movimento ocular rápido e alterações em potencial evocado são comuns, mas também inespecíficas.

Tratamento no IPAN

Aqui no IPAN o tratamento da Esquizofrenia é basicamente medicamentoso e psicoterápico. As abordagens psicoterápicas geralmente incluem a cognitivo-comportamental (reforço de atitudes adequadas e de aderência ao tratamento), além de psicoterapia de apoio e psicoterapia familiar. A abordagem medicamentosa consiste no uso de Antipsicóticos Típicos /Atípicos. Os Típicos têm ação principal de bloqueio dopaminérgico, como por exemplo, haloperidol e clorpromazina. São medicações eficazes para o alívio de sintomas positivos, mas com alguns efeitos colaterais. Os Atípicos têm graus variados de antagonismo dopaminérgico e serotoninérgico. Têm efeito em sintomas positivos e, também, parte dos sintomas negativos e são considerados a primeira linha de tratamento medicamentoso na atualidade. Além dos Antipsicóticos, outros medicamentos têm sido utilizados em associações para aliviar comportamentos impulsivos (estabilizadores do humor) e ansiedade (ansiolíticos). A Eletroconvulsoterapia (ECT) é indicada em quadros Catatônicos e quando há sintomas positivos resistentes às medicações. Recentemente o Conselho Federal de Medicina aprovou o uso de Estimulação Magnética Transcraniana (EMTr) para o alívio de alucinações auditivas na Esquizofrenia.

Nem sempre é fácil conviver com a Esquizofrenia, tanto para quem sofre como para a família. Por isso, é importante buscar um tratamento que proporcione algum controle sobre as manifestações. Se acha que você ou alguma pessoa conhecida pode estar sofrendo com a doença, agende uma consulta para saber mais e iniciar o tratamento.

Monday, August 14, 2017

Padre Fábio de Melo sobre síndrome do pânico: ‘Nunca chorei tanto’



Católico afirmou que está se tratando. ‘Os medicamentos fizeram uma enorme diferença’, disse

Depois de contar a Otaviano Costa que sofria de síndrome do pânico em entrevista para a Rádio Globo, o padre Fábio de Melo fez um desabafo, nesta sexta-feira, em seu perfil  no Instagram. “Há 3 meses, enfrentei um problema grave familiar. Desde então, parei de dormir direito e passei a enfrentar uma angústia muito grande. Há 20 dias, tive sintomas de síndrome do pânico, diagnóstico que já tinha tido dois anos atrás e que superei muito rapidamente na época”, escreveu.

Saiba mais sobre Síndrome do Pânico!

“Desta vez, foi muito diferente. Fiquei praticamente uma semana trancado em casa, com sensação de morte, tristeza profunda e medo de tudo. Nunca chorei tanto na minha vida”, continuou.
O padre contou que recebeu uma indicação de psiquiatra e que está fazendo tratamento. “Os medicamentos fizeram uma enorme diferença. Tenho conseguido cumprir meus compromissos e procurado fazer uma rotina mais leve que me permita estar entre amigos que amo. Estou me sentindo bem melhor, ainda que não me sinta inteiro.”

Confira a reportagem completa na Veja!

Friday, August 4, 2017

Uso da Cetamina para Depressão




Uso da Cetamina para Depressão
A revista VEJA publicou essa semana uma reportagem sobre o uso da cetamina para depressão, especialmente em pessoas com mais de 60 anos.
Confira abaixo o texto da matéria completa:

“Luz na Depressão”

Se você conhece alguém que esteja deprimido, por favor, nunca lhe pergunte o porquê. A depressão não é uma resposta simples para uma situação ruim. A depressão é apenas como o clima.” A bela definição é do ator e cineasta britânico Stephen Fry, que conhece muito bem o terreno no qual pisa de sol e chuva, imensa claridade e devastadora escuridão. A depressão atinge 4,4% da população mundial, ou 330 milhões de pessoas. No Brasil, a incidência da doença chega a 6%, o equivalente a 12 milhões de mulheres e homens – elas em número superior. Na semana passada, um estudo publica na revista científica American journal of Geriatric Psychiatry trouxe otimismo para o tratamento da depressão em idosos, um público vulnerável ao transtorno. A pesquisa mostra que o uso da cetamina – desenvolvida a partir de uma substância anestésica adotada na década de 60 para atender soldados americanos feridos no Vietnã – é eficaz para os doentes com mais 60 anos que não melhoram com nenhum outro tipo de tratamento. Dos dezesseis participantes, onze relataram melhora.

Embora o levantamento tenha contado com um pequeno grupo, os resultados revelam um enorme potencial. Já haviam sido testados todos os outros medicamentos disponíveis no mercado, mas nenhum se mostrou capaz de resgatar os pacientes do afogamento psicológico.A depressão é uma doença complexa, e suas origens biológicas ainda não foram totalmente desvendadas. Fatores genéticos, ambientais e psicológicos a tornam ainda mais obscura Nas últimas três décadas, não houve grandes avanços na busca de medicamentos. Agora que os cientistas têm uma imagem mais matizada do que é a doença – não algo monolítico mas provavelmente a soma de dezenas de distúrbios -, começa-se a entender o que funciona para cada caso específico. E, talvez esse seja o grande passo, despontam remédios que agem com mais presteza para tirar o depressivo da letargia – testes com cetamina comprovaram que o medicamento produz efeito rápido. Os atuais anti-depressivos exigem até quatro semanas para promover algum conforto.

A versão para aplicação nasal da cetamina ainda não foi aprovada pela FDA, mas a agência americana que regula os medicamentos classificou o produto como “terapia inovadora” um atalho para o sim definitivo. É possível que chegue ao mercado já no ano que vem. Atualmente, há três formulações: líquida, injetável, sublingual e de spray nasal, esta que caminha para chegar às prateleiras. Os efeitos colaterais são poucos. Cerca de 15% dos pacientes apresentaram efeitos dissociativos, leve distorção de tempo e espaço que para depois de quinze minutos.

A cetamina regula taxas cerebrais de glutamato, neurotransmisor com ação excitatória sobre o cérebro. Nos depressivos, o glutamato dificulta as conexões entre um neurônio e outro, as chamadas sinapses – essenciais para o bom funcionamento cerebral. Diz o psiquiatra Rodrigo Machado Vieira, professor titular de siquiatria da Universidade do Texas, nos Estados unidos: ” Era uma grande aposta que já está se tornando realidade para depressão”.

Por enquanto, o uso da cetamina deverá ser indicado para pacientes com depressão severa que não respondem aos tratamentos que existem atualmente, ou para aqueles com risco iminente de suicídio. Um estudo divulgado no ano passado mostrou que 36% dos pacientes frearam a perspectiva de se matar quatro horas depois de inalar a substância, e 49% experimentaram o mesmo efeito 24 horas depois de receber a mesma dose. São resultados excepcionais, nunca alcançados em outros tratamentos.

A chegada da cetamina ao mercado para oferecer alívio às vítimas de depressão aguda será a volta triunfal de uma substância que, nos anos 1990, era usada, numa versão em pó, como um alucinógeno em baladas noturnas de gente que virava a noite dançando de um lado para o outro.
Confira a matéria completa, clicando aqui.

O IPAN é especializado no tratamento para a depressão. Se você quer saber mais sobre o tratamento da depressão com Cetamina, clique aqui.