Wednesday, September 8, 2010

Preconceito pode destruir vidas

Além de todas as dificuldades enfrentadas por pacientes que sofrem de depressão e outros transtornos, quando conversamos com eles percebemos também uma barreira muito problemática: o preconceito. Em alguns dos depoimentos dos pacientes do IPAN podemos ler mais sobre esta dificuldade, clique aqui para ler. Apesar de já percebermos uma melhora nos últimos anos, ainda há muito preconceito quanto às doenças como depressão, transtorno bipolar, esquizofrenia e outros.

Diversas ações devem ser feitas para diminuir o preconceito e conscientizar a sociedade. Cada um pode fazer a sua parte, no site do IPAN temos muitos textos para esclarecer as dúvidas sobre os transtornos e cada um de nós pode disseminar informações corretas. Trago para vocês uma iniciativa interessante realizada na Inglaterra chamada Time to Change - Tempo para Mudar (www.time-to-change.org.uk), que espalha pelo país depoimentos de pacientes pelo fim da discriminação dos portadores de doenças mentais. Em uma de suas ações, a campanha mostra mitos e verdades sobre transtornos mentais, veja:

Mito: Problemas de saúde mental são muito raros.
Verdade: Problemas de saúde mental afetam uma em cada quatro pessoas.

Mito: Pessoas com problemas de saúde mental são diferentes das pessoas
normais.
Verdade: Todos temos uma saúde mental, assim como temos nossa saúde física.

Mito: Pessoas com doenças mentais nunca se recuperam.
Verdade: Pessoas com doenças mentais podem e conseguem se recuperar.

Mito: Depois de terem um problema de saúde mental pessoas ficam mais fracas.
Verdade: Muitas pessoas que passaram por isso ficam mais fortes.

Mito: Pessoas com doenças mentais são violentas e imprevisíveis.
Verdade: Pessoas com doenças mentais são mais propensas a serem vítimas de violência.

Mito: Não conheço ninguém com transtorno mental.
Verdade: Alguém que você conhece ou ama já teve um transtorno mental.

Fonte: Time to Change - http://www.time-to-change.org.uk/

É importante que façamos a nossa parte, vamos acabar com o preconceito!
Temos que incentivar a busca por ajuda médica, essencial para que as pessoas recuperem a alegria de viver, espalhe essa ideia!

Abs,
Dra Marina