Friday, February 16, 2018

Estresse

Sintomas | Tipos de Estresse | Dicas

Modernidade: como fazer para não ir do estresse ao esgotamento total.

É quase impossível dissociar a vida que levamos hoje de um certo grau de estresse, maior ou menor, motivado por causas distintas: engarrafamentos, violência urbana, excesso de compromissos, fadiga por correr contra o relógio. Por outro lado, mudar de casa, de emprego, de escola, casar-se, ter um filho ou mesmo terminar um relacionamento podem ser deflagradores de estresse, causando medo, desconforto, preocupação, irritação, frustração, indignação e nervosismo.

Sintomas

Dentre os sintomas associados ao estresse, alguns são muito característicos, como ritmo cardíaco acelerado ou batimentos fora de controle, respiração ofegante, sudorese, tremores, tontura, assim como intestino solto, necessidade frequente de urinar, boca seca e problemas para engolir alimentos.
Em certo grau, nosso corpo está preparado para lidar com situações de estresse e até mesmo alguns sintomas acabam sendo positivos, como, por exemplo, quando o coração bate mais para chegar mais sangue aos músculos e aumentar nossa força para a fuga. O problema é quando o estresse se torna excessivo e contínuo. Daí, pode causar aumento excessivo da pressão arterial e até problemas cardíacos.
Os sintomas físicos e emocionais também são muito característicos e compreendem: Exaustão emocional – fadiga intensa, falta de forças para enfrentar o dia de trabalho e sensação de ser exigido além dos limites emocionais; Distanciamento emocional e indiferença e Diminuição da realização pessoal – falta de perspectiva para o futuro, frustração, sentimento de incompetência e fracasso.

Tipos de Estresse

Há um tipo de estresse, muito comum nos dias de hoje, causado por estresse crônico ocupacional, com sintomas físicos e emocionais que envolvem, principalmente, atividades ligadas ao trabalho. Trata-se da síndrome de Burnout ou síndrome do esgotamento profissional. Suas principais características são estado de tensão emocional e estresse crônicos, que se manifestam especialmente em pessoas cuja profissão exige envolvimento interpessoal direto e intenso.
A síndrome está associada ao estresse, mas também a fatores divididos em duas categorias: Organizacionais – jornada de trabalho (a noturna costuma dar mais consequências); ambientes estressantes ou insalubres; pouca autonomia; desorganização, e Pessoais – ansiedade; idealismo, empolgação (quanto mais envolvido no trabalho, mais dedicação e, consequentemente, maior a decepção também).
Em geral, é difícil para quem sofre admitir que necessita de ajuda, principalmente por julgar que essa atitude levaria a um certo fracasso diante dos desafios profissionais. No entanto, não dá para ignorar os sinais citados acima, além dos sinais do corpo, como dores de cabeça, gastrite, tontura, falta de ar, insônia, palpitações, irritabilidade, dificuldade de concentração e desânimo. Forçar a capacidade do corpo e mente pode resultar em consequências gravíssimas.
É igual atividade física, se não damos descanso para os músculos podemos ter problemas. Com o trabalho é a mesma coisa. É preciso dar descanso para a mente, até para aumentar a nossa capacidade de trabalho.

Dicas

Se você está sob estresse excessivo e contínuo no trabalho, fique atento a essas dicas:
_Procure identificar o que mais incomoda e tente tratar a origem do problema, identificando os agentes estressores, mapeando as situações e fazendo pequenos ajustes em seu dia a dia, mas que farão grande diferença.
_Converse com seu chefe e com seus colegas.
_Aponte os problemas antes que fiquem insuportáveis.
_Procure tratamento médico e psicológico. Se quiser agendar uma consulta aqui no IPAN, podemos auxiliar no processo e apontar caminhos para vencer o problema.
_E, principalmente, se possível, dê um tempo para você. Saia em férias ou tire uma licença. E quando voltar, volte com calma ou em outra função.
Não permita que o estresse contínuo tome conta de você ou de pessoas que são próximas e raras. Ao sinal de sintomas de estresse excessivo, sendo síndrome de Burnout ou não, procure-nos e vamos juntos trabalhar para manter esses níveis em graus aceitáveis e saudáveis.

Thursday, January 18, 2018

IPAN - Tratamento

Aqui no IPAN, juntos, médico, paciente e familiares, conversam para decidir qual será o melhor tratamento adotado em cada caso.

Se você quer ser avaliado por um de nossos especialistas, ente em contato.
Já são mais de 3.000 pacientes atendidos e muitos recuperaram a qualidade de vida e retomaram às suas atividades quotidianas. Isso é motivo de muito orgulho.


http://bit.ly/2ldb0w0
#transtornospsiquiatricos #saudemental #ipan

Friday, November 24, 2017

Nota de esclarecimento sobre a cena da novela “O outro lado do paraíso”, da Rede Globo, que descaracteriza o uso da Eletroconvulsoterapia


nota2-1-768x280





Devido à grande repercussão negativa alcançada pela cena exibida na novela “O Outro Lado do Paraíso”, produzida e veiculada pela Rede Globo, a Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP vem a público esclarecer e manifestar-se acerca do capitulo de ontem, 21 de novembro. O folhetim, assinado pelo escritor Walcyr Carrasco, apresenta narrativa estigmatizante e preconceituosa no que concerne ao uso da Eletroconvulsoterapia – ECT, procedimento médico seguro e indicado para tratamento de transtornos psiquiátricos graves que põem em risco a integridade do paciente, os quais não tenham respondido aos medicamentos psiquiátricos.


Veja Depoimentos de pacientes que fizeram ECT!


Na novela, a protagonista é supostamente diagnosticada com uma doença mental grave, como a esquizofrenia que, na ficção, tem seu manejo terapêutico inadequado. A esquizofrenia é uma doença que atinge cerca de 1% da população mundial e pode causar alterações na maneira como o indivíduo percebe a realidade, perdendo este a capacidade de discernimento. Tal transtorno costuma apresentar como sintomas alucinações e delírios persecutórios, crenças falsas que não cedem às argumentações ou evidências, além da desorganização do pensamento e alterações na expressão emocional.

Quanto à Eletroconvulsoterapia – ECT, ou eletroconvulsão terapêutica, é feita em ambiente hospitalar, sob anestesia, com monitoramento eletrocardiológico e eletroencefalográfico, recebendo uma baixa corrente elétrica que induz à convulsão, com duração de cerca de 30 segundos. A técnica é eficaz e segura e seu sucesso terapêutico é destacado por múltiplos estudos relacionados ao tema, publicados em periódicos de grande destaque científico.

Conforme a Resolução nº 1.640/2002 e a Resolução nº 2.057/2013, do Conselho Federal de Medicina – CFM, a eletroconvulsoterapia deve sempre ser realizada em ambiente adequado, mediante indicação do psiquiatra após a devida avaliação, com equipe formada também por anestesista e enfermeiro. O procedimento é indicado para quadros psiquiátricos que não apresentem respostas aos medicamentos e às demais terapias, como depressões graves, ou quadros em que a medicação tradicional não pode ser administrada, como gestantes e mulheres que estão amamentando. Sem este recurso, tais pacientes podem vir a sofrer riscos bastante severos, incluindo risco de vida.
Considerando o acima pontuado, a ABP manifesta a sua profunda inconformidade à cena veiculada, que descaracteriza esse procedimento médico, além de prestar um desserviço à população, estimulando o preconceito e o estigma relacionados às doenças mentais, aos pacientes psiquiátricos e à psiquiatria. A ECT na psiquiatria, assim como a eletrocardioversão na cardiologia, salva vidas.

Fonte: Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP

Tuesday, November 7, 2017

Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC)





toc transtorno obsessivo compulsivo
Quando hábitos do dia a dia, quaisquer que sejam, deixam de ser saudáveis e passam a ser uma obrigação, ocupando grande parte do pensamento e dos afazeres diários, tornando-se praticamente uma obsessão ou compulsão, cuidado: pode ser um sinal de Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC).

O transtorno é complexo, nele está presente a ansiedade e as alterações do pensamento e do comportamento. Suas características principais são os pensamentos repetitivos e intrusivos (obsessões), e as ações que devem ser realizadas por mais ilógicas que pareçam para o paciente (compulsões). Os sintomas não necessariamente apresentam-se juntamente, pode haver predomínio das obsessões ou das compulsões.

Em geral, as obsessões ou ruminações obsessivas são pensamentos com conteúdo ilógico, dos quais o paciente não consegue se livrar. Os exemplos mais comuns são os ligados a dúvidas, como: “fechei a porta?”, “desliguei o gás?”, sendo que os conteúdos podem ser variáveis. Já as compulsões caracterizam-se por ações, como: checar inúmeras vezes se a porta está ou não fechada, ou repetir várias vezes o ato de lavar as mãos. As ações, em geral, são direcionadas pelas obsessões.

Aqui no IPAN o tratamento é conduzido por um médico psiquiatra que, comumente, faz uso de medicamentos (principalmente antidepressivos e ansiolíticos, sendo que, por vezes, pode indicar também antipsicóticos). Outro suporte extremamente importante é a psicoterapia focada em técnicas comportamentais, que tendem a ser as mais eficazes.

Se você precisa lidar melhor com obsessões ou compulsões, ou conhece alguém que precisa de ajuda, marque uma consulta com a gente. Juntos é mais fácil encarar de frente o desafio de vencer o transtorno.

Monday, November 6, 2017

Transtorno do Estresse Pós-traumático




Todos nós passamos por momentos de medo e traumas, mas nas pessoas que sofrem de Transtorno do Estresse Pós-traumático o pavor ganha uma dimensão descomunal. Isso porque a doença se caracteriza por um conjunto de sinais e sintomas físicos, psíquicos e emocionais, que se manifestam após o indivíduo vivenciar ou testemunhar atos violentos ou situações traumáticas que representaram ameaça à sua própria vida ou de outros.

Nos episódios do transtorno há a lembrança da situação traumática, que não se restringe ao nível cognitivo, mas engloba o nível emocional e o paciente pode sentir novamente o medo que sentiu. Os ataques são frequentes à noite e podem estar associados a sintomas depressivos.

Essa recordação, conhecida também como revivescência, desencadeia uma série de alterações neurofisiológicas e mentais, por isso o transtorno é uma condição complexa e, muitas vezes, incompreendida. Alguns grupos, como os combatentes de guerra, por exemplo, são muito pesquisados, assim como pessoas expostas a medo excessivo: vítimas de violência, de calamidades naturais ou que estiveram expostas a situações de risco, como sequestros.
Aqui no IPAN o tratamento é conduzido por médicos psiquiatras e, o que vem apresentando maior sucesso, é a combinação de medicamentos com o acompanhamento psicoterápico.

Se você passou por uma situação traumática que lhe causa episódios de medo difíceis de controlar, ou se conhece alguém que precisa de ajuda, entre em contato e agende uma consulta. Temos certeza que com o tratamento adequado é possível conviver melhor com o transtorno.

Wednesday, October 25, 2017

Fobia Social e Fobia Simples





Pelo Dicionário da Língua Portuguesa, “fobia” é sinônimo de medo, aversão, repugnância, terror. Para nós, psiquiatras, Fobia é um medo excessivo e desproporcional ligado a um determinado fator, ou seja, uma reação fóbica é uma liberação aguda de medo em relação a um fator desencadeante, que pode ser, por exemplo:
  • medo de avião;
  • medo de algum tipo de animal;
  • medo de algumas situações, como falar em público ou dirigir;
  • medo de água, entre outros.Existem dois tipos de Fobia: a Fobia Social e a Simples.
Na Fobia Social o paciente tem medo de situações em que há a necessidade de se relacionar com outras pessoas, principalmente pessoas estranhas. Ir a festas ou assinar cheques em público, por exemplo, podem ser situações desencadeantes de sintomas ansiosos internos. Nesses casos, o convívio social costuma ser evitado, causando prejuízos à vida social de quem sofre com a doença.

Nas Fobias Simples os medos estão associados a objetos ou situações específicas. Algumas fobias se aproximam a medos fisiológicos (cobras e ratos), outras tendem a ser mais desproporcionais ao risco (medo de barata, por exemplo). Existem fobias a situações como, por exemplo, utilizar elevadores (claustrofobia, que inclui lugares fechados em geral), alturas elevadas (aerofobia), e muitas outras.
No IPAN indicamos como principal tratamento para Fobia a abordagem comportamental, aliada ao uso de medicamentos ansiolíticos (calmantes), antidepressivos e betabloqueadores, quando necessário. As técnicas de dessensibilização, que podem ser mentais ou reais, são muito utilizadas. O método consiste em fazer a exposição progressiva ao fator fóbico, a fim de que o paciente possa enfrentar seus medos e, gradativamente, até superá-los (em treinamentos para falar em público, por exemplo, esse princípio é utilizado).

Não permita que as Fobias limitem o seu modo de se expressar e se colocar na vida. Agende uma consulta conosco e vamos trabalhar juntos para vencer os seus medos.

Agende uma consulta no IPAN!

Sunday, October 22, 2017

Bullying


Dr. Moacyr Rosa, psiquiatra e diretor do IPAN, irá falar sobre a tragédia que ocorreu em Goiânia do aluno que tirou a vida de dois colegas de escola e deixou mais 4 feridos. Assista hoje no Domingo Espetacular.